domingo, junho 04, 2017

sexta-feira, junho 02, 2017

ANTI-TECH REVOLUTION (THE UNABOMBER IS BACK)

https://www.youtube.com/watch?v=8ZlOTBp7EBo&t=31s

quinta-feira, outubro 06, 2016

O livro essencial para os séculos vindouros

https://www.wook.pt/livro/anti-tech-revolution-why-and-how-ted-kaczynski/18774809

segunda-feira, setembro 05, 2016

https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/o-provincianismo-na-lingua-1742727?page=-1

terça-feira, janeiro 05, 2016

http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/reflexoes-sobre-a-linguagem-hodierna-1718475?page=-1

quinta-feira, junho 04, 2015

domingo, fevereiro 22, 2015

http://www.publico.pt/portugal/noticia/pare-escute-e-pense--da-importancia-das-palavras-1686645

sábado, fevereiro 07, 2015

http://tek.sapo.pt/analises/google_glass_vs_oculus_rift_vs_microsoft_holo_1430109.html
http://www.bbc.com/news/31047780

domingo, janeiro 25, 2015

T. K.

A technological advance that appears not to threaten freedom often turns out to threaten freedom often turns out to threaten it very seriously later on. For example, consider motorized transport. A walking man formerly could go where he pleased, go at his own pace without observing any traffic regulations, and was independent of technological support-systems. When motor vehicles were introduced they appeared to increase man's freedom. They took no freedom away from the walking man, no one had to have an automobile if he didn't want one, and anyone who did choose to buy an automobile could travel much faster than the walking man. But the introduction of motorized transport soon changed society in such a way as to restrict greatly man's freedom of locomotion. When automobiles became numerous, it became necessary to regulate their use extensively. In a car, especially in densely populated areas, one cannot just go where one likes at one's own pace one's movement is governed by the flow of traffic and by various traffic laws. One is tied down by various obligations: license requirements, driver test, renewing registration, insurance, maintenance required for safety, monthly payments on purchase price. Moreover, the use of motorized transport is no longer optional. Since the introduction of motorized transport the arrangement of our cities has changed in such a way that the majority of people no longer live within walking distance of their place of employment, shopping areas and recreational opportunities, so that they HAVE TO depend on the automobile for transportation. Or else they must use public transportation, in which case they have even less control over their own movement than when driving a car. Even the walker's freedom is now greatly restricted. In the city he continually has to stop and wait for traffic lights that are designed mainly to serve auto traffic. In the country, motor traffic makes it dangerous and unpleasant to walk along the highway. (Note the important point we have illustrated with the case of motorized transport: When a new item of technology is introduced as an option that an individual can accept or not as he chooses, it does not necessarily REMAIN optional. In many cases the new technology changes society in such a way that people eventually find themselves FORCED to use it.) 128. While technological progress AS A WHOLE continually narrows our sphere of freedom, each new technical advance CONSIDERED BY ITSELF appears to be desirable. Electricity, indoor plumbing, rapid long-distance communications . . . how could one argue against any of these things, or against any other of the innumerable technical advances that have made modern society? It would have been absurd to resist the introduction of the telephone, for example. It offered many advantages and no disadvantages. Yet as we explained in paragraphs 59-76, all these technical advances taken together have created world in which the average man's fate is no longer in his own hands or in the hands of his neighbors and friends, but in those of politicians, corporation executives and remote, anonymous technicians and bureaucrats whom he as an individual has no power to influence. [21] The same process will continue in the future. Take genetic engineering, for example. Few people will resist the introduction of a genetic technique that eliminates a hereditary disease It does no apparent harm and prevents much suffering. Yet a large number of genetic improvements taken together will make the human being into an engineered product rather than a free creation of chance (or of God, or whatever, depending on your religious beliefs). 129 Another reason why technology is such a powerful social force is that, within the context of a given society, technological progress marches in only one direction; it can never be reversed. Once a technical innovation has been introduced, people usually become dependent on it, unless it is replaced by some still more advanced innovation. Not only do people become dependent as individuals on a new item of technology, but, even more, the system as a whole becomes dependent on it. (Imagine what would happen to the system today if computers, for example, were eliminated.) Thus the system can move in only one direction, toward greater technologization. Technology repeatedly forces freedom to take a step back -- short of the overthrow of the whole technological system. 130. Technology advances with great rapidity and threatens freedom at many different points at the same time (crowding, rules and regulations, increasing dependence of individuals on large organizations, propaganda and other psychological techniques, genetic engineering, invasion of privacy through surveillance devices and computers, etc.) To hold back any ONE of the threats to freedom would require a long different social struggle. Those who want to protect freedom are overwhelmed by the sheer number of new attacks and the rapidity with which they develop, hence they become pathetic and no longer resist. To fight each of the threats separately would be futile. Success can be hoped for only by fighting the technological system as a whole; but that is revolution not reform.

Blues Fúnebres

Parem todos os relógios, desliguem o telefone,/ Não deixem o cão ladrar aos ossos suculentos,/ Silenciem os pianos e com os tambores em surdina/ Tragam o féretro, deixem vir o cortejo fúnebre./ Que os aviões voem sobre nós lamentando,/ Escrevinhando no céu a mensagem: Ele Está Morto,/ Ponham laços de crepe em volta dos pescoços das pombas da cidade,/ Que os polícias de trânsito usem luvas pretas de algodão./ Ele era o meu Norte, o meu Sul, o meu Este e Oeste,/ A minha semana de trabalho, o meu descanso de domingo,/ O meu meio-dia, a minha meia-noite, a minha conversa, a minha canção;/ Pensei que o amor ia durar para sempre: enganei-me./ Agora as estrelas não são necessárias: apaguem-nas todas;/ Emalem a Lua e desmantelem o Sol;/ Despejem o oceano e varram o bosque;/ Pois agora tudo é inútil./ W. H. Auden

quarta-feira, janeiro 21, 2015

http://www.casaldasletras.com/colaboradores_analise.html

terça-feira, janeiro 20, 2015

Clarividência - para leitura pausada e releituras

http://theanarchistlibrary.org/library/ted-kaczynski-why-the-technological-system-will-destroy-itself

quinta-feira, janeiro 15, 2015

http://uncfc.org/

terça-feira, dezembro 30, 2014

EL ACENTO Finlandia repudia la cursiva La caligrafía se suprime en beneficio de la mecanografía, que se considera "una ventaja competitiva" EL PAÍS MARCOS BALFAGÓN Finlandia, ese país con el sistema educativo más avanzado del mundo, acaba de preguntarse para qué sirve la caligrafía; la respuesta es: para nada. A partir de agosto de 2016, los niños finlandeses dejarán de aprender la letra cursiva, recibirán instrucción para que escriban en letra de imprenta y el tiempo que dedicaban a la caligrafía lo dedicarán a la mecanografía. La pedagogía finlandesa se ha rendido con armas y bagajes a los encantos de la funcionalidad. Los argumentos anticaligráficos, expuestos por el Instituto Nacional de Educación de aquel país, rezuman pragmatismo: escribir con letras de imprenta es más rápido, la cursiva sólo se usa en el colegio; es difícil de aprender (¿dejarán de explicar trigonometría o la diferencia entre arrianismo y monofisismo, pues?) y la mecanografía es una ventaja competitiva. Un criminalista diría que de nuevo se confunden las pruebas circunstanciales con las incriminatorias. Porque todas las razones expuestas no responden a réplicas sencillas como ¿por qué no pueden enseñarse ambos tipos de escritura? o ¿cuál es el coste de no enseñar la escritura caligráfica? Minna Harmanen, la distinguida funcionaria encargada de explicar la ablación de la cursiva, elude un hecho crucial: las personas (niños y adultos) escriben para pensar o, dicho en términos poéticos, para expresar con claridad los pensamientos que el escribidor no sabe que tiene. Escribir a mano es un modo más lento de traslación de pensamiento que teclear y, por lo tanto, permite una reflexión mayor; escribir a mano con mayúsculas y minúsculas implica además una ordenación más refinada del universo propio (separación de párrafos, cadencia argumental, elección de la letra) que usar sólo caracteres de imprenta. Es fácil temer que la anticaligrafía conduce, en un plazo impreciso pero fatal, a que los adultos así educados sean capaces de escribir muy rápidamente ideas que no tienen. Quienes defienden la caligrafía no lo hacen por una pose contraria al progreso tecnológico o por el capricho diletante de defender algo vetusto. Educar significa dar un sentido del valor de las cosas. Eso se consigue mejor con una formación caligráfica que con la uniformidad del fast writing.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

quarta-feira, dezembro 03, 2014

“O desenvolvimento da inteligência artificial pode significar o fim da raça humana”

“O desenvolvimento da inteligência artificial pode significar o fim da raça humana” Stephen Hawking é um dos mais conceituados cientistas de todo o mundo e para o investigador o desenvolvimento tecnológico pode ter tanto de positivo como de arriscado. Isto porque os humanos não conseguem desenvolver-se tão rápido como as máquinas. “O desenvolvimento em pleno da inteligência artificial pode significar o fim da raça humana”. O alerta é dado pelo físico teórico Stephen Hawking durante uma entrevista à BBC a respeito da evolução dos sistemas de AI, como a ferramenta de comunicação que o cientista usa atualmente. O novo sistema foi desenvolvido pela Intel em parceria com membros da Swiftkey, uma das mais reconhecidas aplicações de escrita inteligente. Stephen Hawking considera que atualmente existem mecanismos de inteligência artificial básicos, mas que rapidamente estes podem tornar-se numa ameaça real ao Homem. “Iria evoluir por contra própria [a inteligência artificial] e redesenhar-se a uma velocidade cada vez maior. Os humanos, que são limitados por uma evolução biológica lenta, não conseguiriam competir e seriam suplantados”, detalhou o teórico. Os “temores” levantados por Stephen Hawking chegam pouco tempo depois de uma outra figura proeminente, Elon Musk, empreendedor na área das novas tecnologias, também ter mostrado grande preocupação relativamente à inteligência artificial. A BBC ouviu ainda um especialista na área da robótica, o fundador da Cleverbot, que tentou colocar alguma razão neste alarmismo. “Não podemos saber realmente o que vai acontecer se uma máquina suplantar a nossa inteligência, portanto não sabemos se vamos ser infinitamente ajudados por ela, ignorados por ela e colocados de parte, ou se seremos concebivelmente destruídos por ela”, analisou Rollo Carpenter. Já Stephen Hawking considera que existem outras áreas, além da AI, às quais é preciso prestar atenção e dedicação, sendo uma delas a Internet. “Mais precisa de ser feito pelas empresas de Internet para combater as ameaças, mas o mais difícil é fazer isso sem sacrificar a liberdade e a privacidade”, analisou o físico teórico.

sexta-feira, janeiro 03, 2014

último-último-último

«Não conheço nada mais desprezível do que um homem que não se atreve, por palavras ou acções, a revelar aquilo que, no seu íntimo, se opõe às opiniões comuns. Quem vive deste modo é, aos meus olhos, um cobarde.» Garman & Worse, Alexander Kielland, tradução de João Reis.

quinta-feira, janeiro 02, 2014

Último-Último

Primeiro, dois textos de Miguel Esteves Cardoso, o homem que nos últimos anos, na antítese do jornalista do Independente, quase só escreve para dizer bem. (Não há aqui nenhuma crítica velada.) «No PÚBLICO de ontem Cláudia Carvalho contava como a FNAC retirou a frase "Troque Os Maias por Meyer" por causa do número de protestantes no Facebook, que ficaram ofendidos por se ter confundido Eça de Queirós com Stephanie Meyer. A FNAC deveria ter-se recusado a ceder a pressões idiotas mas preferiu aproveitar o protesto para divulgar a campanha A Cultura Renova-se. A mim ofende-me o cartão FNAC, o tal "que faz parte de si", que, em conluio com a Credibom, cobra juros acima dos 25%. Mas não se fica por aí, como se verá. Em Dezembro pedi uma segunda via do meu cartão. Mandaram-me uma conta de €3,50. Como não paguei nesse mês, cobraram-me €7,00 de "penalizações": o dobro do que tinha custada a merda do cartão. Qual será a TAEG em que os juros são 200% por mês? O total devido era agora €10,50. Por amor à FNAC decidi deixar-me roubar. Só que paguei dois dias depois do prazo. Resultado: apareceu-me este mês mais uma conta de €7,00. Em dois meses os €3,50 do cartão tinham acumulado €14 de "penalizações". Telefonei para a Credibom, onde me disseram que estava tudo no contrato e que eu deveria ter lido o contrato. Os €10,50 que eu tinha pago tinham "regularizado a situação", mas, como eu me tinha atrasado, a "penalização" deste mês já tinha sido "lançada". Agora tenho de pagar mais 7 euros até ao dia 28 deste mês. Se pagar só no dia 1 de Março, cobrar-me-ão mais 7 euros. E assim sucessivamente, até à hora da minha morte. Ladrões.» Miguel Esteves Cardoso «Nunca mais compro nada na Fnac. Pronto. Está dito. Comprava tudo na Fnac. Pensava que fnac era acrónimo de "franceses noctívagos apaixonadamente culturais". Só agora percebi que designa "falsários nauseabundos aldrabões & carteiristas". Já aqui contei a ladroagem do cartão Fnac - o cartão "que faz parte de si": parte gaga. Resumindo: pedi uma segunda via do dito cartão. Custava 3,50 euros. Como não paguei a tempo, cobraram-me 7 euros pela demora. Paguei 10,50 euros. Mas como não paguei a tempo, cobraram-me mais 7 euros. Ontem recebi um pedido de pagamento de 14 euros. A carta era datada de 15 de Fevereiro, mas só chegou cá no dia 28. A data-limite para pagar? Era dia 27. É esse o truque da Fnac e da Credibom: para além dos juros de Idade Média sobre o que se deve (sempre acima dos 25%, ilegais nos países que protegem os consumidores), enviam tarde os pedidos de pagamento, para receberem mais 7 euros por mês. Por um cartão que custou três euros e meio já paguei dez e meio e, como não tive tempo de pagar mais catorze, pagarei mais vinte e um euros - isto é, se contrariamente ao que têm feito, me derem tempo para pagar. Isto sem nada ter comprado a crédito. Pelo contrário: a última coisa que comprei, um MacBook Pro para a Maria João, foi paga por inteiro, em dinheiro. Creditaram-me 50 euros no cartão. Mas só se aplica a compras que eu lá fizer. Porque não tiram os 21 euros ladroados dessa benesse? Porque são uns ladrões. Repito.» Idem A MINHA OPINIÃO Segundo, algumas observações minhas de porque tomei a mesma decisão que Miguel Esteves Cardoso. 1. As fotografias em cima, da minha autoria, em letras bem grande atravessando toda uma parede da Fnac, têm erros ortográficos. Na fila, uma rapariga à minha frente perguntava ao pai se já se escrevia «serviço» sem cedilha. Reporto os erros da cedilha e da falta de acento em «saúde» à «responsável» pela «comunicação» com o cliente. Ela diz-me (e lembro-me do nome): - É a sua opinião. Pensei que a Fnac também era uma casa de livros. Estava enganado. 2. Em 2013, cansei-me da quantidade de SMS alusivas, que sugeriam algo, que depois afinal não eram bem assim, sempre com excepções e excepções, sempre com esquemas de pontos e disto e daquilo; armadilhas para apanhar néscios. Como eu. 3. Se a Fnac quer vender livros usados que diga que vende livros usados, que os identifique, que lhes baixe consideravelmente o preço, que os ponham uma prateleira perfeitamente vísivel. Comprar uma teoria da heteronímia de Pessoa e uma biografia sobre Salinger com vincos por todos os lados, páginas com marcas de remexidas inúmeras vezes. Se foram, na mais benévola hipótese, os clientes, então, que os removam. 4. Bem sabemos que o espaço tem um preço na Fnac. Para estar aqui pagas x, ali y, e por aí fora. 5. Os livros que fogem à lógica do mercado estão cada vez mais escondidos. E o TOP FNAC passou a ser obrigatório de ser visto dado o seu tamanho e destaque. 6. Confesso que me fartei do encadeamento dos mil e um objectos tecnológicos, cada vez mais exibidos, cada vez mais cintilantes, até chegar ao livro pretendido. Gonçalo M. Tavares contou que no México no mesmo sítio em que se orava num templo as pessoas comiam gelados - sim, a geladaria com um templo lá dentro. 7. Ainda sou do tempo... bem recente... em que não era preciso cartão para os tais 10% espectaculares da Fnac. Pois, agora, 10% com cartão e SÓ PARA ALGUNS. Quais? Não se sabe bem. Por vezes, o livro diz uma coisa e o computador outra. 8. A Fnac gere os meus pontos? Compro um livro e pergunto pelos pontos. «Usou da última vez.» «Mas ninguém me perguntou nada»? «Pois, se calhar foi automático.» 9. Até posso perder dinheiro (o que não é garantido), mas estou-me nas tintas. Não volto lá. A forma de garantir que as editoras e livrarias independentes (são as grandes superfícies quem rebenta o mercado com preços que outros não podem praticar e com a sua poderosíssima propaganda) possam sobreviver passa pelas decisões do consumidor. A minha, passo o pleonasmo, está decidida. 10. Com as margens que a Fnac tem perante as distribuidoras, praticar os preços que praticam não é generosidade - nada disso, muito, muito, muito antes pelo contrário. E para muitos livros nem sequer é verdade. Acredito que uma das armas que ainda temos é de votar pelo consumo. Façam as vossas escolhas.

terça-feira, dezembro 31, 2013

A minha última publicação na tasca

A minha luta contra o mundo digital demencial tem hoje dois gestos. Terminar hoje a minha conta de Facebook e parar de escrever aqui hoje. Sei que ainda viverei o suficiente para ver as novas tecnologias esmagarem o que resta da autonomia e da liberdade individual, para ver plantas criadas por máquinas, seres humanos clonados, a textura e o olfacto como os sentidos que falta adicionar ao digital. Ficção científica? Tanto quanto o era o «atarracado prédio de 34 andares» do Admirável Mundo Novo, o Soma que hoje se ramifica numa miríade crescente e crescente de escapismos. O mais estranho vai ser ver os prisioneiros sorrirem sem se aperceberem dos contornos das grades que os cercam - talvez alguns as divisem e as vejam douradas e sorriam. Talvez nessa altura o bombista da Apple, da Google ou da Microsoft tenha muitos nomes de suspeitos e o meu figure entre eles - isto se na altura os chips no cérebro não permitirem modificar interiormente uma pessoa e aspirar-lhe «a alma». É claro que continuarei a escrever. Entre outras coisas, o mais importante, aquilo de que me lembro desde ter memória - ser escritor, escrever Livros.

Dedicado ao filho que nunca tivemos

A BOY I NEVER KNEW To have his arms/ Around me/ To sense/ His perfect trust/ I'd give/ All I ever had/ All I ever had/ I'd love/ To see him dream/ I'd love/ To watch him sleep/ To have/ His arms around me/ Held his arms in mine/ Sense/ His perfect trust/ I'd give/ All I ever had/ For a moment/ Of his love/ He's my heart/ And my soul/ He's my blood/ And my bones/ He's my prayers/ And my hope/ My wishes/ And dreams/ Seems so long ago/ So long ago/ I'd love/ To watch him dream/ Love to see/ Him sleep/ To have his arms/ Around me/ Feel him/ As he breathes/ Hold his hands/ In mine/ Sense/ His perfect trust/ I'd give/ All I ever had/ For a moment/ Of his love/ He's my heart/ And my soul/ He's my blood/ And my bones/ He's my prayers/ And my hopes/ My wishes/ And dreams/ Seems/ So long ago/ He's my blood/ And my bones/ He's my heart/ And my soul/ He's my prayers/ And my hopes/ My wishes/ And dreams/ A boy I never knew/ And the man/ I'll never know/ I'll never know/ I'll never know/ To have his arms/ Around me/ Sense/ His perfect trust/ I'd give/ All I ever had/

segunda-feira, dezembro 30, 2013

Lembro-me de ser um miúdo e de parar para pensar em «beber as palavras». Que bem que aquela pessoa falava. Beber palavras, uau! Que coisa original, metafórica (no sentido literal, de transporte...). Lembro-me de com 13 anos ler uma entrevista em que o músico dizia «alimentar-se de Baudelaire». Alimentar-se, bem, como aquilo me bateu. Como era delicioso falar tão bem. Lembro-me de uma namoradinha que me escreveu: «Mostra-me os caminhos para o teu coração.» Como fiquei siderado. Deslumbrado. Encantado. O óbvio: o tempo embota o deslumbramento. Não vejo nisto uma nota de tristeza. Apenas um erguer da taça aos olhos. Aumenta a exigência. Faz procurar o original. A maravilha. E quando o alumbramento vem - fica - sólido, maduro, ancorado. Citando (F. Scott Fitzgerald, The crack-up, tradução da tasca): «Em trinta e nove anos, um olhar observador ensinou-me a detectar quando o leite é aguado e o açúcar polvilhado com areia, quando o pechisbeque procura imitar o diamante e o estuque a pedra.»

«Santidade»

Mais uma palavra corrompida. Associa-se mais a um conjunto de restrições. Os literalmente «advogados do Diabo» escrutinavam a vida em busca da mancha. Santo como o que não fez. Não gosto. Santo como o que pugnou pelo Homem (e pelo animal), o que «santificou» a vida à sua volta com pensamentos, palavras, actos. Cunhal tentou viver como um santo (ou tentou mostrar que vivia como um santo, a vaidade era a sua fraqueza). Eanes foi um santo na sua relação com o Estado, os seus dinheiros e interesses. Vítor Tavares da Etc. foi um santo, nunca se rendendo ao comercial, ao mercado, publicando livros artesanais a vida toda, com poucos exemplares e sempre sem se soçobrar naquilo que para si seria o «pecado» - a concessão ao vendável sem critério apurado do que era para si «qualidade».

domingo, dezembro 29, 2013

- Não há nada mais insondável, mais arredio do entendimento, do que aquilo que nos excita sexualmente. Não julgo ninguém. E, sim, sei o que possas pensar... ninguém quer dizer mesmo ninguém.
- Alguma vez conheceste alguém cuja vida fosse uma obra de arte? Ou que fatias dessa vida fossem obras de arte? Primas? Pessoas que incorporam a Arte na Vida, esse é o estado maior do artista. O resto - a Arte, ela mesma - é uma gratificação para a vaidade.